4 de abril de 2010

revolver

3 comentários:

J disse...

Que não o fazem por mal, eu acredito. Mas alguém sai sempre magoado nesse processo, independentemente das intenções. O mais provável é não quererem saber do limite das suas atitudes e acções que tem com os outros. Isso quando se é cachopo/a, nunca se quer crescer. Mas acabamos por conformarmo-nos. Como se tivéssemos outra hipótese.

Pedro disse...

Eu não vou discutir com aquilo sobre a religião. Aquele blog tem praticamente 2 anos, por tanto, tudo o que se por lá passou, por lá ficou. Eu vivo a minha vida, sem precisar de aceitar deus ou seja o que for. Só preciso de ser consciente pelas minhas acções e fazer as coisas que mais gosto. :)

Quanto aquele blog. Bom, na altura, era uma maneira de criar um heterónimo, e no fim, acabou por ser um arrancar de emoções à força toda do peito. Arrancar as dores e as tristezas e crueldades que os meus colegas de turma me faziam. Porque nessa altura andava mesmo mal, mal dormia à noite, não tinha vontade de ir à escola e nem vontade de comer tinha, por tanto, foi apenas um "desabafo" horroroso, se bem que, ainda bem que o fiz, deitando tudo cá para fora, foi talvez a melhor coisa que pude ter feito. (:

IN disse...

E acho muito bem!